Ebook SOP Baixe agora o e-book sobre Síndrome dos Ovários Policísticos e entenda tudo sobre essa doença! Clique Aqui!
Ficou com alguma dúvida? Agende sua consulta agora! Clique Aqui!

Estrogênio alto: quais os efeitos?



"Estrogênio alto e seus efeitos no organismo, conheça os principais"

por Dr. Augusto Bussab

Estrogênio alto: quais os efeitos?

O estrogênio é uma designação genérica que se dá a um grupo de hormônios presentes de forma predominante no organismo feminino: estradiol, estriol e estrona, que têm como função a promoção e controle da ovulação, além do desenvolvimento das características femininas.

Estrogênio alto é sinal de que há algo errado com o organismo feminino, e os efeitos desse desequilíbrio podem ser identificados com certa facilidade.

Embora seja produzido em quantidades menores, esse hormônio também se faz presente no organismo masculino.

Leia o texto para saber mais sobre o estrogênio e sua relação com a fertilidade feminina.

O que é estrogênio?

O estrogênio, também conhecido como estrógeno, é um hormônio sexual feminino produzido nos ovários.

Ele é o responsável inicialmente por desenvolver as características femininas e depois por fazer o controle do ciclo menstrual.

A produção desses hormônios tem início no primeiro ciclo menstrual e termina quando a mulher chega ao período de menopausa.

Estradiol

O 17β-estradiol ou apenas estradiol é o hormônio feminino mais potente. Trata-se do principal hormônio sexual feminino, essencial para que a gravidez possa ocorrer de maneira adequada.

Desempenha uma série de funções no organismo feminino.

Estriol

O estriol é um hormônio identificado em grandes quantidades no organismo de mulheres grávidas.

Ele é produzido pela placenta e trata-se de um marcador do bem-estar fetal. Já em outros períodos o estriol permanece em baixos níveis.

Estrona

A estrona é o segundo hormônio estrogênico mais presente no organismo feminino após a puberdade e o hormônio predominante no organismo feminino após a menopausa.

Funções do estrogênio

O estrogênio está relacionado a uma variedade de funções no organismo. As principais delas são:

  • Manutenção e controle do ciclo menstrual no organismo feminino, considerando a fertilidade: esse hormônio age induzindo a proliferação celular, o que garante o espessamento do endométrio, que é eliminado durante o período menstrual caso não haja fecundação;
  • Proteção ao sistema cardíaco e vascular, facilitando o fluxo sanguíneo para diferentes regiões corporais;
  • Desenvolvimento de características sexuais femininas secundárias: formação de mamas e o surgimento de pelos na região pubiana;
  • Desenvolvimento corporal com padrão feminino: promove o acúmulo de gordura nas mamas e quadris, contribuindo para a formação do modelo de corpo feminino;
  • Estimula a formação da região genital feminina: estimula o crescimento dos pequenos e grandes lábios da vulva;
  • Promove o preparo do organismo feminino para recepção do embrião.

Um nível de estrogênio alto provoca alterações metabólicas femininas que podem ser identificadas.

Estrogênio alto: valores de referência

Para avaliar o estrogênio alto ou baixo, é necessário fazer um exame de sangue laboratorial.

Embora os sintomas apresentados pelas mulheres possam indicar altos níveis do hormônio, o diagnóstico só pode ser realizado com base nos resultados do exame.

Valores de estrogênio totais para o sexo feminino:

  • Fase folicular: 80 a 480 picogramas/ml;
  • Pico de ovulação: 300 a 600 picogramas/ml;
  • Fase luteínica: 200 a 400 picogramas/ml;
  • Pós-menopausa: 20 a 80 picogramas/ml.

Valores de estrogênio totais para o sexo masculino:

  • 40 a 200 picogramas/ml.

Estrogênio alto se caracteriza por valores que se mostrem superiores aos valores de referências que acabaram de ser mostrados.

Principais sintomas de estrogênio alto

Entre os principais sintomas de estrogênio alto estão:

  • Ganho de peso;
  • Ciclo menstrual irregular;
  • Sintomas de TPM mais intensos;
  • Dificuldade para engravidar;
  • Inchaço anormal das mamas, podendo culminar no surgimento de nódulos;
  • Queda de cabelo acentuada.

O estrogênio alto é uma consequência direta de sobrepeso ou obesidade; ovários policísticos; presença de tumores ovarianos; ou do uso inadequado de alguns medicamentos.

Consequências ao estrogênio alto

Nas mulheres, o estrogênio alto pode causar uma série de desconfortos, tais como dores nas mamas, alterações de humor, retenção de líquido e ganho de peso, que pode evoluir para problemas de saúde mais graves, como diabetes, hipertensão arterial e síndrome metabólica.

Já nos homens, os principais problemas do estrogênio alto são: ginecomastia e disfunção erétil.

O estrogênio estimula o crescimento de tecidos mamários.

Dessa forma, nos homens, o excesso desse hormônio favorece o crescimento das mamas.

Já no caso da disfunção erétil, para ter ereção o homem precisa de um equilíbrio entre testosterona e estrogênio.

Quando há altos níveis de estrogênio no organismo masculino, existe a dificuldade para manter ereção.

Fertilidade e infertilidade

No organismo masculino, o estrogênio é responsável pelo desenvolvimento de espermatozoides saudáveis.

Quando há estrogênio alto, os níveis de espermatozoide no sêmen tendem a diminuir, ocasionado problemas de fertilidade.

Já no organismo feminino, o estrogênio alto pode dificultar o processo de gravidez por afetar diretamente o processo de ovulação.

É muito comum que casais tentem engravidar e não obtenham êxito em virtude do estrogênio alto.

O médico é o profissional que pode solicitar exames para avaliar os níveis de estrogênio, fazer o diagnóstico adequado e propor o tratamento mais indicado.

Compartilhe esse conteúdo em suas redes sociais para que mais pessoas tenham acesso e possam ter mais qualidade de vida.

 


Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de
Próxima leitura
Como é feito o teste de fragmentação do DNA espermático?

Cerca de 50% dos casos de infertilidade dos casais podem estar associados a um fator masculino. A fragmentação do DNA espermático tem sido apontada, atualmente, como um dos principais. Dessa forma, o teste de fragmentação do DNA é fundamental para investigação da infertilidade masculina. O […]

Ler mais...