Dr. Augusto Bussab | Reprodução Humana | WhatsApp
Ebook SOP Baixe agora o e-book sobre Síndrome dos Ovários Policísticos e entenda tudo sobre essa doença! Clique Aqui!
Ficou com alguma dúvida? Agende sua consulta agora! Clique Aqui!

O que é hipófise?

por Dr. Augusto Bussab



"Entre os sistemas do corpo humano, o endócrino é composto por glândulas responsáveis pela secreção ou produção de hormônios, substâncias químicas que regulam diversas funções corporais, incluindo a reprodutiva. A hipófise ou glândula pituitária, tem um papel especial nesse processo, sendo essencial em diversas atividades […]"
O que é hipófise?

Entre os sistemas do corpo humano, o endócrino é composto por glândulas responsáveis pela secreção ou produção de hormônios, substâncias químicas que regulam diversas funções corporais, incluindo a reprodutiva. A hipófise ou glândula pituitária, tem um papel especial nesse processo, sendo essencial em diversas atividades e fortemente associada ao sucesso gestacional, por isso é conhecida como glândula mestra.

A hipófise está localizada na base do cérebro e tem cerca de meia polegada (1,25 cm) de diâmetro, o tamanho de uma ervilha, por exemplo. Está ligada por uma haste ao hipotálamo, região localizada no centro do sistema nervoso; juntos formam o sistema neuroendócrino.

Hipófise e o hipotálamo, por sua vez, compõem eixos com alguns órgãos alvo, coordenando sua função. Esse é o caso, por exemplo, do eixo hipotálamo-hipófise-gônadas, ovários e testículos respectivamente, as glândulas sexuais de mulheres e homens, responsáveis pela produção dos gametas, óvulos e espermatozoides, as células sexuais com as informações genéticas.

Assim, alterações na hipófise podem comprometer diversas funções corporais. A infertilidade, nesse caso, pode ser uma das consequências. Continue a leitura até o final para saber em detalhes o que é a hipófise, suas principais funções e atuação na fertilidade. Confira!

Função da hipófise

A hipófise tem dois lobos, o anterior e o posterior. Cada um contém células responsáveis pela produção de diferentes hormônios. O lobo anterior constitui cerca de 80% da glândula, regula o crescimento, o metabolismo e a reprodução por meio dos hormônios secretados. Os principais são:

  • hormônio do crescimento humano (HGH ou GH);
  • hormônio estimulante da tireoide (TSH);
  • hormônio adrenocorticotrófico (ATCH);
  • hormônio folículo-estimulante (FSH);
  • hormônio luteinizante (LH);
  • prolactina.

O FSH e o LH, as gonadotrofinas, são essenciais para fertilidade feminina e masculina.

Entenda como a hipófise atua na fertilidade feminina

Os ciclos menstruais ou reprodutivos femininos têm início na puberdade, com a primeira menstruação e acontecem continuamente até a menopausa, quando se enceram com a última menstruação.

São coordenados pelo eixo HHO (hipotálamo-hipófise-ovários), que regula a secreção e inibição dos hormônios envolvidos no processo, atuando em etapas importantes da gravidez.

Na primeira fase, chamada folicular, o hipotálamo secreta o hormônio liberador de gonadotrofinas (GnRH), estimulando a hipófise a liberar as gonadotrofinas FSH e LH, que viajam pela corrente sanguínea até os ovários.

O FSH atua no recrutamento e crescimento de vários folículos ovarianos, estruturas que armazenam o óvulo imaturo presentes desde o nascimento. Embora vários folículos cresçam, apenas um deles se desenvolve e amadurece motivado pelo LH.

Enquanto se desenvolve o folículo dominante secreta estrogênio, hormônio responsável pelo preparo do endométrio, camada interna uterina na qual se implanta marcando o início da gravidez.

Aproximadamente na metade do ciclo, na segunda fase, a ovulatória, um pico de LH induz o folículo dominante ao amadurecimento final e rompimento para liberação do seu óvulo, também maduro, na ovulação.

O óvulo liberado é captado pelas tubas uterinas e aguarda por 2h o encontro com o espermatozoide para fecundá-lo. Fecundação é o evento em que o espermatozoide penetra o óvulo gerando a primeira célula do embrião.

Na última fase, lútea, as células do folículo rompido se transformam em corpo-lúteo, uma glândula endócrina temporária cuja função é secretar progesterona, hormônio que atua no preparo final do endométrio e garante a manutenção da gravidez.

Se não houver fecundação, por outro lado, o corpo-lúteo degenera, ocorre um rebaixamento dos níveis hormonais levando à descamação do endométrio, originando a menstruação e um novo ciclo.

É possível perceber a importância do papel da hipófise em todos esse processo. Alterações na glândula, resultam no desequilíbrio das gonadotrofinas. Baixos níveis, por exemplo, são fortemente associados à infertilidade.

Os níveis inadequados comprometem o crescimento, desenvolvimento e amadurecimento dos folículos ovarianos, resultando em distúrbios de ovulação como oligovulação, ovulação irregular, que acontece apenas em alguns ciclos e anovulação, totalmente ausente.

O desequilíbrio pode resultar de problemas na hipófise, como inflamações, tumores, geralmente benignos, ou um suprimento insuficiente de sangue para a hipófise, decorrente de hemorragia grave, coágulos sanguíneos ou anemia, bem como de lesões cirúrgicas e doenças autoimunes, por exemplo, bem como pode ser consequência dos que afetam o hipotálamo interferindo na função da hipófise.

Além da deficiência de gonadotrofinas, leva ainda ao rebaixamento dos hormônios tireoidianos, que também atuam no processo de desenvolvimento e amadurecimento dos folículos ovarianos e na implantação do embrião e, de prolactina, hormônio que ajuda no preparo as glândulas mamárias para o aleitamento e estimula a produção de leite após o parto.

Contudo, mulheres com infertilidade causada por deficiência na produção dos hormônios hipofisários, podem contar com a reprodução assistida para auxiliar a gravidez. Em todas as técnicas, relação sexual programada (RSP), inseminação artificial (IA) e fertilização in vitro (FIV), a primeira etapa é a estimulação ovariana.

Estimulação ovariana é um procedimento em que são utilizados medicamentos hormonais sintéticos, semelhantes aos naturais, para estimular a função ovariana e o desenvolvimento e amadurecimento de mais folículos, obtendo, dessa forma, mais óvulos disponíveis para a fecundação.

Toque aqui e conheça outras condições que podem resultar em infertilidade femini


Se inscrever
Notificação de
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Prxima leitura
Mórula, embrião e blastocisto: qual é a relação?

A gravidez é um processo complexo, que envolve diferentes elementos, por isso é comum várias dúvidas surgirem durante a tentativa de engravidar. Termos como gônadas, gametas, embrião, mórula, blastocisto, fecundação, nidação e eclosão, por exemplo, são frequentemente utilizados em referência ao processo, por profissionais de […]

Ler mais...