Ebook SOP Baixe agora o e-book sobre Síndrome dos Ovários Policísticos e entenda tudo sobre essa doença! Clique Aqui!
Ficou com alguma dúvida? Agende sua consulta agora! Clique Aqui!

Como saber se tenho SOP?

por Dr. Augusto Bussab



"A síndrome dos ovários policísticos, que podemos chamar pela sigla SOP, é uma condição bastante complexa e que pode ter repercussões negativas na vida da mulher. As consequências dessa endocrinopatia incluem desde baixa autoestima devido às alterações estéticas até infertilidade. Além disso, há o risco […]"
Como saber se tenho SOP?

A síndrome dos ovários policísticos, que podemos chamar pela sigla SOP, é uma condição bastante complexa e que pode ter repercussões negativas na vida da mulher. As consequências dessa endocrinopatia incluem desde baixa autoestima devido às alterações estéticas até infertilidade. Além disso, há o risco aumentado para diabetes, dislipidemia e doenças cardiovasculares.

A SOP afeta uma importante fração de mulheres em idade fértil, mas muitas não buscam diagnóstico e tratamento porque desconhecem essa condição e seus possíveis impactos. O fato de não causar sintomas de dor também retarda a procura por avaliação médica.

Pensando nisso, trouxemos informações relevantes para que você possa suspeitar de ter SOP. Confira!

O que é SOP?

A SOP é uma disfunção endócrina que afeta a mulher em vários aspectos. Sua prevalência é de 5% a 15% entre as mulheres que estão em idade reprodutiva. A doença é caracterizada por apresentações clínicas de hiperandrogenismo e irregularidades menstruais.

Hiperandrogenismo na SOP é o termo que se refere ao aumento nos níveis de hormônios andrógenos (masculinos) no corpo feminino. Há uma série de sintomas que indicam essa alteração. Exames laboratoriais também podem identificar o problema.

O nome “síndrome dos ovários policísticos” pode levar a entender que tal condição tem origem nos ovários. No entanto, é uma endocrinopatia, isto é, uma alteração do sistema endócrino que prejudica as funções ovarianas em razão do excesso de andrógenos.

Os ovários são os órgãos responsáveis pelo armazenamento e desenvolvimento dos óvulos. O nível elevado de andrógenos interfere na síntese dos hormônios femininos e na foliculogênese — processo que leva ao crescimento folicular e à ovulação.

As causas da SOP estão relacionadas a alterações hormonais, hiperinsulinemia (resistência aumentada à insulina), fatores genéticos e até estilo de vida — mulheres sedentárias e com obesidade são mais propensas a desenvolver essa condição.

Afinal, como saber se tenho SOP?

Como já esclarecemos, a SOP não desencadeia sintomas dolorosos, de forma que muitas portadoras convivem com essa alteração endócrina sem tanto incômodo e, assim, protelam a avaliação médica. Entretanto, é de grande importância que a mulher fique atenta aos sinais da síndrome e busque o diagnóstico para evitar as consequências dessa disfunção.

Veja, então, o que você pode fazer para saber se tem SOP!

Observe os sinais e sintomas

As manifestações da SOP estão relacionadas ao hiperandrogenismo. O excesso de hormônios masculinos pode desencadear alterações estéticas como:

  • acne;
  • seborreia;
  • alopecia (queda de cabelo);
  • hirsutismo (crescimento de pelos com padrão masculino em áreas faciais e corporais).

Irregularidades menstruais também sinalizam a SOP. Mulheres com essa condição podem apresentar oligomenorreia ou amenorreia — respectivamente, períodos menstruais infrequentes ou ausência de menstruação.

Outro importante sinal de SOP é a infertilidade feminina. Trata-se da maior causa de infecundidade por anovulação (ausência de ovulação). A disfunção ovulatória ocorre porque o excesso de androgênios aumenta a sensibilidade dos folículos ao estímulo do hormônio folículo-estimulante (FSH), secretado pela glândula hipófise.

Isso faz com que vários folículos comecem a se desenvolver, mas não há dominância folicular e nenhum deles chega a ovular. Assim, os folículos não ovulados formam microcistos que podem ser vistos com um exame de ultrassonografia.

Realize o acompanhamento médico para diagnóstico

Além do ultrassom que revela os ovários policísticos, a avaliação diagnóstica da SOP inclui exames laboratoriais que dão a certeza de ter a condição. Análises de sangue comprovam as alterações hormonais associadas ao quadro de hiperandrogenismo.

O acompanhamento médico também é necessário para identificar e tratar as repercussões clínicas da SOP, como diabetes, dislipidemia (colesterol elevado) e esteatose hepática (gordura no fígado).

A obesidade é outra condição frequentemente relacionada à SOP. O tecido adiposo é um dos tecidos periféricos que participam do metabolismo da testosterona, principal hormônio andrógeno. O aumento da gordura abdominal, além de impactar a autoestima da mulher, aumenta os riscos cardiovasculares.

A paciente com SOP é orientada a adotar novos hábitos de vida como forma de complementar o tratamento clínico. A redução de 10% do peso corporal pode ajudar a diminuir os níveis de hormônios andrógenos. Assim, os riscos metabólicos também reduzem, a ovulação se torna mais regular e a mulher tem mais chances de engravidar espontaneamente.

É possível tratar a SOP e engravidar?

O tratamento da SOP depende dos objetivos reprodutivos da paciente. Mulheres que não têm planos imediatos de gravidez podem fazer uso de anticoncepcionais hormonais para normalizar a menstruação e reduzir a policistose ovariana. Medicamentos antiandrogênicos também são importantes para diminuir as manifestações de hiperandrogenismo.

Já as pacientes que querem engravidar podem contar com os tratamentos de reprodução assistida. Se o casal apresentar apenas a disfunção ovulatória como fator de infertilidade, realiza-se a indução da ovulação associada às técnicas de baixa complexidade — relação sexual programada ou inseminação artificial.

Quando a investigação da infertilidade conjugal revela outros fatores além da SOP, a fertilização in vitro (FIV) também é uma opção para chegar à gravidez.

Aproveite sua visita e leia nosso texto principal sobre a síndrome dos ovários policísticos


Se inscrever
Notificação de
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Prxima leitura
Síndrome de Asherman: o que é?

A síndrome de Asherman é uma condição que afeta a cavidade do útero. Os termos síndrome e doença são comumente utilizados como sinônimos, mas não o são. Existem diferenças entre esses dois conceitos:  a palavra síndrome é usada para caracterizar um conjunto de sinais e […]

Ler mais...