Ebook SOP Baixe agora o e-book sobre Síndrome dos Ovários Policísticos e entenda tudo sobre essa doença! Clique Aqui!
Ficou com alguma dúvida? Agende sua consulta agora! Clique Aqui!

Ultrassom pélvico: modalidades e como é feito



"A ultrassonografia é um exame de baixa complexidade e ampla indicação. Também conhecido como ecografia, ou mais comumente chamado apenas de ultrassom, o exame tem o objetivo de capturar imagens dos órgãos internos do paciente para avaliação. Um aparelho transdutor faz a conversão, em tempo […]"

por Dr. Augusto Bussab

Ultrassom pélvico: modalidades e como é feito

A ultrassonografia é um exame de baixa complexidade e ampla indicação. Também conhecido como ecografia, ou mais comumente chamado apenas de ultrassom, o exame tem o objetivo de capturar imagens dos órgãos internos do paciente para avaliação.

Um aparelho transdutor faz a conversão, em tempo real, das ondas sonoras de alta frequência (ecos) emitidas pelo aparelho e devolvidas pelos tecidos do corpo humano em imagens correspondentes, transmitidas para um monitor e analisadas pelo profissional que está realizando o exame. O ultrassom, portanto, faz um mapeamento da região investigada.

O ultrassom pode ser indicado para muitas finalidades. É um dos exames mais realizados no mundo. Os benefícios, além disso, incluem valor acessível, baixo risco (não emitem radiação) e ser de rápida execução.

Quando a mulher está grávida, no pré-natal, o ultrassom é uma ferramenta de uso recorrente para acompanhar o desenvolvimento do feto e detectar possíveis alterações. O pré-natal é fundamental para acompanhar a saúde da mulher e do bebê.

Neste texto, falaremos mais sobre o ultrassom pélvico e sua utilização para visualizar a região pélvica feminina, em que estão abrigados os órgãos reprodutores, destacando suas modalidades e sua importância para a saúde reprodutiva da mulher. Confira!

O que é ultrassom pélvico?

Quando o ultrassom é indicado para investigar os órgãos da pelve, como útero, tubas uterinas, ovários, entre outros, a ultrassonografia é conhecida como ultrassom pélvico.

É utilizada para investigar a saúde reprodutiva da mulher, identificando doenças que podem causar infertilidade, como miomas uterinos e endometriose, para a confirmação da gravidez ou acompanhamento do desenvolvimento do feto durante a gestação.

Além disso, nas situações em que a mulher é submetida ao tratamento com técnicas de reprodução assistida, o ultrassom pélvico é um instrumento auxiliar no acompanhamento do processo. Durante a estimulação ovariana, por exemplo, monitora o desenvolvimento dos folículos.

A ultrassonografia é um exame ginecológico de rotina. Se feito regularmente, pode diagnosticar inúmeros problemas precocemente e aumentar as taxas de sucesso dos tratamentos. É importante manter visitas regulares ao ginecologista.

Modalidades do ultrassom pélvico

O ultrassom pélvico é dividido em duas modalidades: transvaginal e abdominal. Essa nomenclatura está relacionada com a via de acesso do transdutor para a obtenção das imagens.

Ultrassonografia transvaginal

O exame é realizado pela vagina: o transdutor, protegido por um plástico lubrificado, é introduzido pelo canal vaginal e colo do útero. Para realizar o exame, a paciente se deita em posição ginecológica, e o transdutor inserido cria as imagens por meio da emissão e captura de ondas sonoras que mapeiam a região. O exame dura aproximadamente 10 minutos e é comum que o procedimento cause um leve desconforto.

A visualização direta proporciona uma avaliação mais detalhada dos órgãos reprodutivos, em comparação com a ultrassonografia abdominal. Podem ser detectadas ou suspeitadas muitas condições e doenças, como miomas e a gravidez ectópica, quando o embrião se implanta fora do útero, geralmente nas tubas uterinas. O exame também pode ser feito durante o período menstrual.

Ultrassonografia abdominal

O ultrassom abdominal, também conhecido como suprapúbico, é realizado com a captura de imagens pelo abdômen, coberto por um gel para facilitar o manuseio do transdutor e eliminar o ar entre ele e a pele.

O aparelho desliza pela região e traduz as ondas sonoras emitidas e capturadas em imagens, que, embora sejam menos nítidas do que as obtidas pelo ultrassom transvaginal, proporcionam uma visão geral e mais ampla de toda a pelve.

O ultrassom suprapúbico ou abdominal também é realizado da mesma forma em homens e tem uma duração, em média, de 30 minutos.

Preparação para o exame

Em ambas as modalidades, o exame é simples, não invasivo e indolor. Para a realização do ultrassom abdominal, a paciente deve ingerir uma boa quantidade de líquido para que bexiga esteja cheia. Assim, as alças intestinais são deslocadas e atuam como uma janela para a transmissão das ondas sonoras. Isso melhora a qualidade das imagens reproduzidas.

No caso do ultrassom transvaginal, não há necessidade de preparo. A bexiga não precisa estar cheia. A única contraindicação do exame é que mulheres que ainda não tiveram relações sexuais não podem realizá-lo.

Ultrassom e infertilidade feminina

A ultrassonografia é de grande importância para a identificação de doenças e condições que podem provocar infertilidade. Além de proporcionar o diagnóstico de diferentes doenças, indica ainda anormalidades anatômicas nas estruturas dos órgãos reprodutivos.

Além disso, como ferramenta auxiliar em tratamentos de reprodução assistida de mulheres inférteis, o ultrassom pélvico monitora o desenvolvimento e amadurecimento dos folículos e, na FIV (fertilização in vitro), auxilia na aspiração folicular, procedimento em que são coletados os óvulos em laboratório, e na transferência dos embriões ao útero.

Gostou do post? Que tal compartilhá-lo nas redes sociais? Assim, as informações sobre o exame podem contribuir com o conhecimento de mais mulheres em processos de planejamento familiar!

 

 


Se inscrever
Notificação de
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Próxima leitura
Idade e reserva ovariana: qual a relação?

Na sociedade de hoje, a infertilidade relacionada à idade é cada vez mais comum, pois, por vários motivos, muitas mulheres esperam até os 35 anos ou mais para começar suas famílias. Apesar de as mulheres estarem cada vez mais saudáveis, uma saúde melhor na idade […]

Ler mais...