Ebook SOP Baixe agora o e-book sobre Síndrome dos Ovários Policísticos e entenda tudo sobre essa doença! Clique Aqui!
Ficou com alguma dúvida? Agende sua consulta agora! Clique Aqui!

O que são os estrogênios?



"Hormônios são de suma importância para a vida do homem e da mulher, pois são substâncias químicas produzidas por glândulas e neurônios específicos, com uma função importante: regular órgãos e suas atividades ou mesmo transportar informações entre células. O estrogênio é uma designação genérica utilizada […]"

por Dr. Augusto Bussab

O que são os estrogênios?

Hormônios são de suma importância para a vida do homem e da mulher, pois são substâncias químicas produzidas por glândulas e neurônios específicos, com uma função importante: regular órgãos e suas atividades ou mesmo transportar informações entre células.

O estrogênio é uma designação genérica utilizada para nomear um grupo de hormônios, que são responsáveis pelo controle da ovulação e o desenvolvimento de características femininas.

Continue a leitura e descubra o que são os estrogênios, sua função, quais problemas podem desencadear e como controlar o nível dos hormônios para uma vida fértil saudável.

Os estrogênios

Estrogênio é um termo genérico para nomear um grupo de hormônios cujas principais funções são o controle da ovulação e o desenvolvimento de características femininas. Há três tipos principais de estrogênios: estradiol, estrona e estriol.

Qual a função de cada hormônio?

Descubra a função de cada hormônio do grupo denominado estrogênio. Saiba como cada um deles atua em seu organismo e os efeitos de um possível desequilíbrio.

Estradiol

O estradiol é produzido pelos ovários e atua de diversas formas no organismo feminino, inclusive no sistema reprodutor.

Esse hormônio atua estimulando o folículo ovariano a liberar o óvulo. Após isso, estimula contrações nas tubas uterinas (trompas de Falópio) para que o óvulo fecundado seja conduzido até o útero materno.

Também atua desencadeando uma reação do útero a outro hormônio, chamado progesterona, que prepara o endométrio para a chegada do óvulo fecundado.

Além das funções reprodutivas, o estradiol atua na manutenção da pele, dilatação dos vasos sanguíneos, saúde dos ossos e proteção das funções cerebrais.

Outra função, também muito importante, é o desenvolvimento das características da mulher, como: aumento das mamas, distribuição de gordura, mudanças no corpo, entre outros.

Estrona

Estrona é um dos dois principais estrogênios em mulheres não grávidas e é um importante estrogênio produzido pela placenta.

O estrogênio ovariano primário é o estradiol. A estrona circulante é derivada da secreção ovariana e da conversão da androstenediona que ocorre no corpo.

Este hormônio é um reflexo da senescência ovariana e do desenvolvimento da menopausa.

Alguns benefícios da estrona estão relacionados à proteção dos vasos sanguíneos e do tecido cardíaco.

É neuroprotetora, pois ajuda os nervos da espinha e do cérebro a permanecerem saudáveis, especialmente após lesões, como trauma, derrame, etc.

Estriol

O estriol (E3) é um hormônio sexual feminino, um dos três principais estrogênios endógenos. Os níveis de estriol em mulheres que não estão grávidas são quase indetectáveis.

No entanto, durante a gravidez, o estriol é sintetizado em quantidades muito altas pela placenta e se torna o estrogênio mais produzido pelo organismo.

O estriol produzido pela placenta é feito a partir de um hormônio chamado DHEA – (dehidroepiandrosterona), suprido pela mãe ou pelo córtex adrenal do feto.

Por causa da participação do feto na formação do estriol, a medição desse hormônio pode ser um sensível indicador do bem-estar da placenta e/ou do feto.

O estriol é o estrogênio mais benéfico para a vagina, o cérvice e a vulva, nos casos de atrofia ou secura vaginal na menopausa, que predispõe a ocorrência de vaginite e cistite.

Quais problemas o desequilíbrio dos níveis desses hormônios pode causar?

O desequilíbrio dos níveis desses hormônios pode levar a mulher à infertilidade, pois tem ação no sistema reprodutivo feminino, além de possuir funções protetoras do corpo.

Geralmente, o distúrbio destes hormônios pode causar a osteoporose, doenças cardiovasculares, mudanças no corpo feminino, como a mudança de padrão de distribuição de gordura.

Assim como a infertilidade, o desequilíbrio pode causar desregulação menstrual, que traz graves consequências quando se deseja ser mãe, e disfunção sexual.

É de suma importância procurar um especialista e avaliar o nível dos hormônios para uma vida saudável e, principalmente, para uma gravidez saudável.

Investigação

Para descobrir se o desequilíbrio hormonal vem afetando sua fertilidade, é preciso uma investigação com o médico especialista.

É importante prestar atenção nos sinais que o corpo dá. O distúrbio hormonal pode ocorrer após a primeira menstruação até a menopausa, pois, nesse período, o corpo está em constante mudança hormonal.

É preciso estar atento aos sinais que o corpo pode emitir. O desequilíbrio pode gerar diversos efeitos, como: aumento de peso, dificuldade para emagrecer e acne.

Também podem ocorrer alterações menstruais, ressecamento no canal vaginal e até mesmo insônia. Caso perceba algum desses sinais, procure auxílio médico.

Como controlar o nível dos hormônios e reverter a infertilidade?

Caso seja diagnosticada a infertilidade por desequilíbrio hormonal, esse quadro pode ser corrigido com terapias hormonais. É necessária uma investigação detalhada do desequilíbrio hormonal para que o melhor tratamento seja indicado.

Dependendo do caso, é necessária a reprodução assistida.

Esse conteúdo retirou suas dúvidas?

Compartilhe em suas redes sociais e leve a informação aos seus amigos.

 


Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de
Próxima leitura
O que é útero retrovertido?

O sistema reprodutor feminino é formado, de modo geral, pelos ovários, tubas uterinas (trompas de Falópio), útero e vagina, e controlado por estímulos hormonais. A principal função do útero é abrigar e nutrir o feto até que esteja pronto para o nascimento. Qualquer alteração uterina […]

Ler mais...