Ebook SOP Baixe agora o e-book sobre Síndrome dos Ovários Policísticos e entenda tudo sobre essa doença! Clique Aqui!
Ficou com alguma dúvida? Agende sua consulta agora! Clique Aqui!

O que é PESA e MESA e como esses procedimentos aumentam as chances de gravidez?



"Entre os principais avanços das técnicas de reprodução assistida (TRA) nas últimas décadas, está a fertilização in vitro (FIV) com ICSI (injeção intracitoplasmática de espermatozoides), que revolucionou o tratamento em pacientes com fator masculino grave de infertilidade. PESA e MESA são dois métodos cirúrgicos para […]"

por Dr. Augusto Bussab

O que é PESA e MESA e como esses procedimentos aumentam as chances de gravidez?

Entre os principais avanços das técnicas de reprodução assistida (TRA) nas últimas décadas, está a fertilização in vitro (FIV) com ICSI (injeção intracitoplasmática de espermatozoides), que revolucionou o tratamento em pacientes com fator masculino grave de infertilidade. PESA e MESA são dois métodos cirúrgicos para extração de espermatozoides em homens azoospérmicos, uma das principais causas da infertilidade masculina. A azoospermia pode ser obstrutiva e não obstrutiva.

Ambos os métodos são indicados para homens com azoospermia obstrutiva e permitem a recuperação de espermatozoides a partir do epidídimo, ducto que atravessam os gametas após serem produzidos pelos testículos.

Neste post, vou abordar o funcionamento da PESA e MESA no contexto da FIV, destacando os casos em que os procedimentos são indicados e as respectivas taxas de sucesso.

Azoospermia obstrutiva e não obstrutiva

A azoospermia está presente em aproximadamente 1% de todos os homens e em 15% dos homens inférteis. Pode resultar na ausência de produção de espermatozoides pelos testículos (azoospermia não obstrutiva) ou na dificuldade de transportá-los pelo líquido seminal em razão de alguma obstrução (azoospermia obstrutiva).

Para determinar a etiologia e o tratamento mais adequado, é necessária uma investigação criteriosa do paciente, com análise de pelo menos duas amostras de sêmen, além do exame físico e dos complementares. Os principais são:

  • Espermograma, que analisa características macro e microscópicas do sêmen, incluindo a qualidade e a quantidade dos espermatozoides;
  • Medição dos níveis de hormônios como testosterona e hormônio folículo-estimulante (FSH);
  • Teste genético;
  • Raios-X ou ultrassonografia dos órgãos reprodutivos para verificar problemas com a forma e o tamanho, a presença de tumores, bloqueios, ou se a quantidade de sangue está adequada;
  • Imagem do cérebro para identificar distúrbios do hipotálamo ou hipófise, que também podem provocar o problema.

Quando o tamanho dos testículos e os níveis hormonais estão normais, uma biópsia é realizada para saber se a azoospermia, que pode ser classificada em três categorias, é obstrutiva ou não obstrutiva:

  • Azoospermia pré-testicular (não obstrutiva) (condição bastante rara): quando os testículos são normais, mas não há produção de espermatozoides. Pode ser provocada por baixos níveis hormonais, problemas genéticos, distúrbios do hipotálamo ou glândula pituitária, estimulados ​​por tratamentos de radiação e por alguns medicamentos, especialmente os utilizados em tratamentos de quimioterapia;
  • Azoospermia testicular (não obstrutiva): quando danos nos testículos impedem a produção normal de espermatozoides, o que pode ser ocasionado por diferentes condições, desde infecções no trato reprodutivo, doenças infantis na puberdade, como a caxumba, lesões na virilha, neoplasias e seus tratamentos, varicocele, condições genéticas ou mesmo doenças como o diabetes, cirrose ou insuficiência renal;
  • Azoospermia pós-testicular (obstrutiva): problemas com ejaculação ou uma obstrução no trato reprodutivo impedem que o espermatozoide seja transportado para o líquido seminal. Ocorre em cerca de 40% dos homens com azoospermia. Pode ser causada por uma obstrução ou ausência de conexão no epidídimo, quando o paciente sofreu uma vasectomia, infecções, crescimento de um cisto ou por ejaculação retrógrada – quando o sêmen entra na bexiga em vez de sair pela uretra durante um orgasmo.

O que é PESA e como funciona o procedimento?

PESA (percutaneous epididymal sperm aspiration), em português aspiração percutânea de espermatozoides do epidídimo, é um procedimento de baixa complexidade. Prevê anestesia local ou sedação e é realizado em ambiente laboratorial.

A extração dos espermatozoides é feita diretamente do epidídimo, com a utilização de uma agulha pequena, conectada a uma seringa, que perfura o ducto para aspirar o líquido seminal. Durante o processo de punção é feita uma análise do material coletado. Caso não haja presença de espermatozoides, o procedimento é repetido até que os gametas masculinos sejam encontrados.

O material pode ser utilizado a fresco para fecundação em FIV com ICSI ou pode ser congelado para ser posteriormente utilizado.

Quando a PESA não recupera um número suficiente de espermatozoides viáveis, é realizado, então, a MESA.

O que é MESA e como funciona o procedimento?

A MESA (microsurgical epididymal sperm aspiration), em português aspiração microcirúrgica de espermatozoides do epidídimo, foi o primeiro método a ser introduzido. É de maior complexidade, exige anestesia geral e geralmente é realizado em ambiente hospitalar, embora também possa acontecer no ambulatorial.

Para que os espermatozoides sejam extraídos, é feita uma incisão na bolsa que envolve os testículos e a exposição do epidídimo. Em seguida, o túbulo epididimal é dissecado e aberto com uma tesoura microcirúrgica afiada. O fluido é aspirado com auxílio de um tubo de silicone ou de uma agulha conectada a uma seringa.

O material também pode ser utilizado a fresco ou congelado. Um único procedimento MESA geralmente permite a recuperação de um grande número de espermatozoides de qualidade.

Quando PESA e MESA são indicadas?

Ambos os procedimentos são indicados para casais inférteis, em que o problema é provocado por fator masculino causado por azoospermia obstrutiva. As indicações também incluem homens que fizeram vasectomia e querem novamente ter filhos.

Fazem parte do tratamento de FIV com ICSI, em que um único espermatozoide previamente selecionado é introduzido dentro do óvulo para que haja a fecundação.

Estudos demonstram que o percentual de recuperação de espermatozoides é bastante expressivo nos dois procedimentos, embora a MESA registre um número maior: 93% em comparação com os 61% da PESA.

Conheça também outra técnica de reprodução assistida com percentuais expressivos de sucesso: a inseminação artificial.

 


Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de
Próxima leitura
Teste de receptividade endometrial (ERA): o que é e como é feito o teste?

O teste ERA tem sido de grande auxílio na realização da Fertilização in Vitro. Você sabe como funciona esse teste?

Ler mais...