Ebook SOP Baixe agora o e-book sobre Síndrome dos Ovários Policísticos e entenda tudo sobre essa doença! Clique Aqui!
Ficou com alguma dúvida? Agende sua consulta agora! Clique Aqui!

O que é laparoscopia ginecológica e quando é indicada?



"Alguns empecilhos podem se tornar um obstáculo para a concretização do sonho de ser mãe, como doenças ginecológicas ou alterações hormonais. Essas condições podem levar a mulher à infertilidade, dificultando a concretização da gestação. A laparoscopia ginecológica auxilia no diagnóstico da infertilidade, mostrando durante o […]"

por Dr. Augusto Bussab

O que é laparoscopia ginecológica e quando é indicada?

Alguns empecilhos podem se tornar um obstáculo para a concretização do sonho de ser mãe, como doenças ginecológicas ou alterações hormonais.

Essas condições podem levar a mulher à infertilidade, dificultando a concretização da gestação.

A laparoscopia ginecológica auxilia no diagnóstico da infertilidade, mostrando durante o exame se ocorreu alguma alteração anatômica que esteja dificultando a fecundação.

Para compreender como é feita a laparoscopia ginecológica, quando o procedimento é indicado e quais cuidados devem ser tomados, continue lendo este texto que explicarei todo o processo.

O que é a laparoscopia ou videolaparoscopia?

A laparoscopia (ou videolaparoscopia) ginecológica é um método cirúrgico com baixo risco de complicações, pois é realizado por via abdominal.

Essa técnica pode diagnosticar e tratar diversas condições que afetam a saúde da mulher, apresentando amplas indicações.

Como é realizada a técnica?

A laparoscopia é um procedimento cirúrgico que geralmente requer preparação, dependendo da intervenção que será realizada.

Essa preparação deve ser feita rigorosamente para que o sucesso não seja prejudicado.

O médico deve estar ciente de todos os medicamentos que porventura a paciente utilize, do resultado de exames prévios e de todo o histórico.

A laparoscopia ginecológica requer aplicação de anestesia geral. Após a aplicação da anestesia, é feito um corte pequeno na região do umbigo, por onde é injetado gás carbônico e introduzida uma pequena câmera.

O gás carbônico tem a função de facilitar a visualização e a intervenção que será feita. Já a câmera é utilizada para analisar os órgãos internos, identificando as alterações.

O gás mantém a parede abdominal distante dos órgãos, o que reduz o risco de lesões, enquanto o laparoscópio transmite as imagens para o monitor do cirurgião, possibilitando-lhe acompanhar e realizar a intervenção, que depende do tipo de procedimento indicado.

Uma vez terminado o procedimento, todos os instrumentos são removidos, as incisões são suturadas e a paciente é encaminhada para a recuperação.

Geralmente, a alta é dada em alguns dias.

Quais as indicações da laparoscopia?

A laparoscopia pode ser utilizada tanto para diagnósticos quanto para o tratamento de diversas condições ginecológicas.

Endometriose: caracterizada pelo desenvolvimento e crescimento de tecido semelhante ao endometrial fora do útero.

Provoca uma reação inflamatória crônica, assim como outros problemas. Ocorre, geralmente, em mulheres em idade reprodutiva.

A laparoscopia é uma opção tanto para diagnóstico quanto para o tratamento cirúrgico da endometriose porque permite ao cirurgião identificar lesões pequenas não visíveis na cirurgia convencional em diversos órgãos, como útero, ovários, tubas uterinas (trompas de Falópio), bexiga, entre outros.

Durante o procedimento, todos os focos de endometriose encontrados são tratados.

Miomas uterinos: são tumores benignos (não cancerosos), firmes e compactos, feitos de células musculares lisas e tecido conectivo fibroso que se desenvolve no útero.

Estima-se que entre 20% e 50% das mulheres em idade reprodutiva têm miomas, embora nem todos sejam diagnosticados.

Os miomas podem ser assintomáticos. Apresentam sintomas principalmente nas mulheres entre 30 e 40 anos.

Quando requerem intervenção cirúrgica, a laparoscopia possibilita a retirada, com baixo risco de complicações, além de manter a estética abdominal.

Gestação ectópica: gravidez que se desenvolve fora do útero. Quase toda gravidez ectópica ocorre nas tubas uterinas (trompas de Falópio) e, às vezes, é chamada de gravidez tubária.

As tubas não têm estrutura para manter um embrião em crescimento. Assim, o óvulo fertilizado em uma gravidez tubária não pode se desenvolver adequadamente.

A laparoscopia é um método de extrema eficácia para o tratamento, pois é segura, tem baixo risco de complicações e rápida recuperação.

A mulher retorna às atividades diárias em poucos dias.

Salpingite: é um tipo de doença inflamatória pélvica. Trata-se de uma infecção dos órgãos reprodutivos, sendo uma doença que pode causar infertilidade.

Ela ocorre quando bactérias nocivas entram no trato reprodutivo. A salpingite, geralmente, resulta de infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) causadas por bactérias, como clamídia ou gonorreia.

A salpingite atinge, principalmente, mulheres jovens e sexualmente ativas. As pacientes com DIU são especialmente vulneráveis.

Caso não seja tratada, a salpingite pode provocar complicações a longo prazo.

A laparoscopia pode ser indicada para confirmar o diagnóstico e também descartar condições que possam apresentar sintomas semelhantes.

Quando procurar auxílio médico?

Alguns sintomas podem indicar diferentes problemas de saúde, por isso devem ser investigados.

Consulte o seu médico se você tiver algum dos seguintes sintomas:

  • sangramento entre períodos menstruais;
  • necessidade de urinar com mais frequência ou sensação de queimação durante a micção;
  • sangramento vaginal anormal, particularmente durante ou após o coito;
  • dor ou pressão na pelve;
  • coceira, ardor, inchaço, vermelhidão ou dor na região vaginal;
  • feridas ou nódulos na área genital;
  • corrimento vaginal alterado e/ou aumentado;
  • dor ou desconforto durante a relação sexual (dispareunia).

Os sintomas vaginais podem ser provocados por infecções leves e fáceis de tratar. No entanto, se não forem tratados, podem levar a condições mais graves, incluindo infertilidade ou problemas renais.

Também podem ser um sinal de problemas mais sérios.

Caso identifique os sintomas precocemente, consulte um médico imediatamente porque essa ação pode aumentar a probabilidade de sucesso do tratamento.

Este artigo te ajudou a entender a laparoscopia ginecológica?

Leia este texto e aprofunde seus conhecimentos para saber a melhor forma de lidar com o procedimento.


Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de
Próxima leitura
O que é útero retrovertido?

O sistema reprodutor feminino é formado, de modo geral, pelos ovários, tubas uterinas (trompas de Falópio), útero e vagina, e controlado por estímulos hormonais. A principal função do útero é abrigar e nutrir o feto até que esteja pronto para o nascimento. Qualquer alteração uterina […]

Ler mais...