Ebook SOP Baixe agora o e-book sobre Síndrome dos Ovários Policísticos e entenda tudo sobre essa doença! Clique Aqui!
Ficou com alguma dúvida? Agende sua consulta agora! Clique Aqui!

O que é espermograma?



"O espermograma é um exame para avaliar a fertilidade masculina. Neste exame, são analisadas as características micro e macroscópicas do sêmen produzidos pelo homem por meio de uma amostra de sêmen. A amostra de sêmen masculino é retirada por meio da masturbação e então analisada. […]"

por Dr. Augusto Bussab

O que é espermograma?

O espermograma é um exame para avaliar a fertilidade masculina. Neste exame, são analisadas as características micro e macroscópicas do sêmen produzidos pelo homem por meio de uma amostra de sêmen. A amostra de sêmen masculino é retirada por meio da masturbação e então analisada.

Após a coleta do sêmen, é avaliada a quantidade e a qualidade dos espermatozoides, assim como outras características do sêmen. O objetivo é diagnosticar a saúde reprodutiva do paciente. Em cerca de 30% dos casos, há um problema masculino que afeta a fertilidade do casal. Para compreender o que é esse exame, o que ele avalia e quando é indicado, continue lendo atentamente.

O espermograma

É um exame que avalia a fertilidade masculina após realizada a coleta do sêmen. O exame permite avaliar a quantidade, o formato e a capacidade de movimentação dos espermatozoides. Também podem ser avaliadas algumas características, como cor, odor, viscosidade, volume, PH e concentração. Neste exame, são analisados diversos fatores que permitem a identificação do problema que está levando à infertilidade masculina.

Quando é indicado?

O espermograma é indicado quando o casal não consegue engravidar, após um ano de tentativas sem utilizar método contraceptivo. Após um ano de tentativas sem sucesso, é preciso ir ao médico, para que ele investigue a causa. O espermograma é um exame muito importante para a investigação, indicado para levantar informações e apontar a origem do problema que está provocando a infertilidade do casal.

O que avalia?

O espermograma é um exame que avalia o sêmen (análise macroscópica) e os espermatozoides (análise microscópica):

  • Cor do sêmen;
  • Liquefação;
  • Volume;
  • Viscosidade;
  • pH;
  • quantidade e concentração dos espermatozoides;
  • morfologia dos espermatozoides;
  • motilidade dos espermatozoides.

A investigação da amostra consiste em duas etapas:

Análise macroscópica

Nesta etapa, é possível analisar o volume do líquido, a cor do sêmen, a liquefação, a viscosidade e o pH, que mede a acidez necessária para a sobrevivência do espermatozoide.

A liquefação é o tempo que o sêmen demora para mudar do seu estado para o líquido.

Cada aspecto analisado tem parâmetros estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Qualquer alteração nesses parâmetros pode indicar infertilidade.

Análise microscópica

Nesta etapa, são analisados os seguintes aspectos: quantidade, concentração, morfologia e motilidade dos espermatozoides.

A quantidade ou concentração de gametas é medida de duas formas: quantidade total ou por ml de sêmen.

Em seguida, é analisada a morfologia dos espermatozoides, como seu formato, fundamental para a fecundação.

Por fim, analisa-se a motilidade dos espermatozoides, ou seja, sua capacidade de se deslocar pelo sistema reprodutor feminino.

Essas análises têm por objetivo verificar o que pode estar causando a infertilidade masculina.

Diagnósticos que o exame pode embasar

O espermograma é um exame limitado na avaliação da infertilidade masculina, porém há informações que podem ser obtidas com ele.

Ausência de espermatozoides

Conhecida como azoospermia, a ausência de espermatozoides na amostra é uma das condições que mais levam homens à infertilidade, pois impossibilita a fecundação. As causas da azoospermia podem ser decorrentes de infecções, ISTs ou mesmo uma obstrução do canal seminal.

Oligozoospermia

A oligozoospermia é uma condição que indica que existem espermatozoides na amostra, porém sua quantidade é tão baixa que ficam impossibilitados de percorrer o trato feminino e fecundar o óvulo. A causa para a oligozoospermia podem ser diversas, mas as mais comuns são decorrentes de ISTs.

Astenozoospermia

A astenozoospermia é uma condição que indica que a motilidade dos espermatozoides está prejudicada. Nesse caso, a permanência do espermatozoide no trato feminino é menor, dificultando a fecundação do óvulo feminino. A astenozoospermia pode ser causada por diversos fatores, como ISTs.

Teratozoospermia

A teratozoospermia indica alterações na morfologia dos espermatozoides, prejudicando sua capacidade fértil. A origem da teratozoospermia pode ser uma inflamação, consumo de drogas, entre outras.

Infertilidade diagnosticada. E agora?

Quando a infertilidade é diagnosticada, o médico especialista irá indicar o tratamento ideal para o casal. Desde mudanças alimentares até técnicas de reprodução assistida podem ser sugeridas.

Existem alimentos que ajudam na produção de hormônios, aumentam a motilidade dos gametas e ainda podem melhorar a qualidade dos espermatozoides. Quando é diagnosticada a infertilidade no homem, alguns métodos de reprodução assistida são os mais indicados, como:

FIV

Na FIV, a mulher passa inicialmente pela estimulação ovariana e indução da ovulação. Depois, são feitas as coletas dos óvulos e dos espermatozoides, fecundados em laboratório para o início do desenvolvimento do embrião, que são posteriormente transferidos ao útero materno para que a gravidez se desenvolva.

Alguns dias depois é feito o exame para verificar se a técnica foi bem-sucedida.

ICSI

Quando o homem é infértil e sua contagem de espermatozoides é baixa, a ICSI é o melhor método, realizado introduzindo um espermatozoide rigorosamente selecionado diretamente dentro do óvulo feminino, para que a fecundação seja realizada.

IA

A IA é realizada em algumas etapas. A principal diferença para a FIV é que, na IA, a fecundação ocorre dentro do corpo da mulher. Depois de passar pela estimulação ovariana e indução da ovulação, a mulher se prepara para receber os espermatozoides coletados e preparados em laboratório.

O depósito dos gametas masculinos no útero feminino é feito com o auxílio de uma seringa, introduzida pelo canal vaginal até a cavidade uterina.

Alguns dias depois também é feito o teste de gravidez para verificar se a técnica foi bem-sucedida.

Esse conteúdo esclareceu suas dúvidas? Compartilhe em suas redes sociais e leve a informação aos seus amigos.


Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de
Próxima leitura
Teste de receptividade endometrial (ERA): o que é e como é feito o teste?

O teste ERA tem sido de grande auxílio na realização da Fertilização in Vitro. Você sabe como funciona esse teste?

Ler mais...