Ebook SOP Baixe agora o e-book sobre Síndrome dos Ovários Policísticos e entenda tudo sobre essa doença! Clique Aqui!
Ficou com alguma dúvida? Agende sua consulta agora! Clique Aqui!

O que é blastocisto?



"  Blastocisto é um termo muito utilizado no contexto da reprodução assistida, principalmente na fertilização in vitro (FIV). Uma das etapas da FIV e a transferência embrionária, que pode ser realizada em dois estágios diferentes do embrião: D3, ou seja, no 3º dia de desenvolvimento, […]"

por Dr. Augusto Bussab

O que é blastocisto?

 

Blastocisto é um termo muito utilizado no contexto da reprodução assistida, principalmente na fertilização in vitro (FIV).

Uma das etapas da FIV e a transferência embrionária, que pode ser realizada em dois estágios diferentes do embrião: D3, ou seja, no 3º dia de desenvolvimento, ou blastocisto, no 5º dia do desenvolvimento.

A estratégia de transferência deve ser avaliada de forma criteriosa, de acordo com as condições e características do casal.

Neste texto, são apresentadas as principais dúvidas acerca da fase de blastocisto. Entenda como o cultivo embrionário interfere nas chances de sucesso da FIV.

Blastocisto

O termo “blastocisto” refere-se a um estágio de desenvolvimento embrionário em que há a presença da blastocele, uma cavidade que se forma no interior do embrião preenchida de líquido.

É em estágio de blastocisto, com cerca de 5 dias de desenvolvimento, que o embrião se implanta na parede uterina em uma gravidez natural.

A estrutura do blastocisto é mais complexa do que os estágios embrionários anteriores, porque, além de aumentar o número de células, elas se organizaram em dois tipos: o trofectoderma, cujo papel principal é a formação das membranas embrionárias e da placenta, e a massa celular interna, que dará origem ao próprio feto.

A FIV é realizada em 5 fases: estimulação ovariana, aspiração folicular e coleta dos espermatozoides, fecundação, cultivo embrionário e transferência dos embriões ao útero da mulher.

Depois da aspiração folicular, os óvulos encontrados são fecundados com os espermatozoides.

O resultado da fecundação é o zigoto, célula com os pronúcleos masculino e feminino bem determinados.

Na sequência, os pronúcleos se fundem e dão início às clivagens, divisões celulares que promovem o desenvolvimento do embrião.

As etapas de desenvolvimento são as seguintes:

  • 1 dia – estágio pronuclear (1 célula com dois pronúcleos);
  • 2 dia – estágio de duas a quatro células;
  • 3 dia – estágio de seis a oito células;
  • 4 dia – estágio de mórula – a divisão celular se intensifica nessa fase, pois o embrião apresenta cerca de 30 células;
  • 5 dia – estágio de blastocisto, com mais de 100 células.

Para a transferência na fase de blastocisto, os embriões se desenvolvem em incubadoras que simulam o ambiente uterino e propiciam seu desenvolvimento saudável.

Por que ele é importante na reprodução assistida?

Atualmente, a maioria dos ciclos de FIV é realizada com blastocisto, mas em algumas situações o mais indicado é transferir os embriões em D3, principalmente quando há baixa qualidade embrionária.

Em alguns casos, o embrião interrompe seu desenvolvimento antes de atingir o 5º dia, portanto quanto menor for a qualidade do embrião, menor a chance de ele atingir o 5º dia de desenvolvimento em laboratório.

No entanto, quando o embrião tem qualidade, transferir em estágio de blastocisto aumenta as chances de sucesso.

1. Sincronização fisiológica

A transferência do embrião para o útero em estágio de blastocisto apresenta uma sincronização fisiológica semelhante à gravidez natural, uma vez que leva cerca de cinco dias após a fertilização para o embrião chegar à cavidade uterina, onde se fixa para dar início à gravidez.

Isso ocorre devido à receptividade endometrial, mais adequada nesse período, fornecendo uma melhor sincronia embrião-endométrio e maiores chances de implantação.

2. Teste genético pré-implantacional

Aguardar o estágio de blastocisto permite a identificação de embriões de melhor qualidade e a realização de teste genético pré-implantacional, quando indicado.

Durante o cultivo embrionário, pode ser feito o teste genético pré-implantacional (PGT), em que é realizada a biópsia do embrião para análise genética a fim de evitar a transmissão de doenças dos pais para o descendente.

O PGT tem o objetivo de verificar anormalidades genéticas e/ou cromossômicas devido a mutações que podem dar origem a diversas doenças.

Quando há indicação de PGT, os embriões são congelados após a biópsia, uma vez que os resultados demoram para sair.

Depois da análise dos resultados, os embriões são descongelados e transferidos no ciclo seguinte, após nova preparação endometrial.

Transferir embriões em estágio de blastocisto, no entanto, aumenta o risco de interrupção do desenvolvimento, o que pode reduzir o número de embriões para transferência.

3. Transferência de um único embrião

Em técnicas de reprodução assistida que utilizam protocolos de estimulação ovariana existe risco aumentado para a gestação múltipla, já que um número maior de óvulos fica disponível para fecundação.

Atualmente, a transferência de um único embrião é possível em virtude da evolução da FIV e das técnicas relacionadas a ela.

Embora não seja uma conduta comum, em alguns casos pode ser indicada.

Transferir apenas um embrião também possibilita o congelamento dos excedentes para futuras tentativas.

Este texto te ajudou a entender mais sobre blastocisto? Clique aqui e compreenda como a transferência de embriões congelados irá te ajudar a conseguir a sonhada gestação.

 


Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de
Próxima leitura
Como é feito o teste de fragmentação do DNA espermático?

Cerca de 50% dos casos de infertilidade dos casais podem estar associados a um fator masculino. A fragmentação do DNA espermático tem sido apontada, atualmente, como um dos principais. Dessa forma, o teste de fragmentação do DNA é fundamental para investigação da infertilidade masculina. O […]

Ler mais...