Ebook SOP Baixe agora o e-book sobre Síndrome dos Ovários Policísticos e entenda tudo sobre essa doença! Clique Aqui!
Ficou com alguma dúvida? Agende sua consulta agora! Clique Aqui!

Endometrioma: tratamento cirúrgico e reserva ovariana



"O tratamento cirúrgico para remoção dos endometriomas pode afetar a reserva ovariana, mas é possível preservar a fertilidade e engravidar após o procedimento. Saiba como:"

por Dr. Augusto Bussab

Endometrioma: tratamento cirúrgico e reserva ovariana

A endometriose é uma doença caracterizada pela presença do endométrio fora da cavidade uterina. O endométrio é o tecido que reveste a parede interna do útero, e é onde o embrião recém fecundado se fixa para que uma gestação se inicie.

Quando ele atinge outros órgãos e começa a se desenvolver, causa uma inflamação que pode ser bastante incômoda e gerar várias consequências, incluindo a infertilidade.

Uma das formas de manifestação da endometriose são os endometriomas, cistos que afetam os ovários. Uma grande preocupação que está relacionada a esse tipo da doença é o seu tratamento, que pode causar uma queda na reserva ovariana.

Para entender essa relação e descobrir se é possível engravidar após o diagnóstico ou tratamento dos endometriomas, continue lendo este conteúdo:

O que são endometriomas?

Os endometriomas são cistos que se formam nos ovários, causados pelo acúmulo de células endometriais presentes no órgão.

Eles estão relacionados principalmente à presença de hormônios no organismo, e por isso costumam ter seu tamanho aumentado no período menstrual. Além disso, é um problema mais comum entre as mulheres em idade fértil, podendo diminuir ou desaparecer após a menopausa.

O tamanho dos cistos pode variar, e seu interior é preenchido por sangue. Na maioria dos casos, a mulher que possui endometriomas também é diagnosticada com outros tipos de endometriose, podendo resultar em um quadro mais grave da doença.

Seus sintomas estão relacionados, principalmente, a dor e sangramento. Grande parte das pacientes apresenta fortes cólicas abdominais, dor pélvica, aumento no fluxo menstrual e sangramento anormal. Dor durante as relações sexuais e corrimento escuro também são sintomas da doença.

Como eles afetam a fertilidade?

A infertilidade também é um sintoma comum dos endometriomas. Como os cistos se formam nos ovários, eles podem afetar negativamente o funcionamento do órgão.

Os endometriomas podem ser responsáveis por problemas na ovulação, pela redução da reserva ovariana e na qualidade dos óvulos da mulher. Todos esses fatores causam um grande prejuízo à fertilidade feminina.

Além disso, o tratamento da doença também pode interferir nessa questão. Em casos mais simples, recomenda-se o uso de anticoncepcionais para evitar o desenvolvimento e crescimento dos cistos. Isso impede que a mulher engravide, pelo menos pelo período em que estiver fazendo o uso do medicamento.

Em casos mais graves, a recomendação é o tratamento cirúrgico. Este tratamento pode afetar seriamente a reserva ovariana.

Tratamento cirúrgico para endometriomas

O tratamento cirúrgico é indicado para as pacientes diagnosticadas com endometriomas em alguns casos, como:

  • quando os sintomas são muito incômodos e prejudicam a vida da mulher;
  • quando os cistos são grandes e possuem mais de 4 cm;
  • quando a mulher não consegue engravidar por causa dos endometriomas;
  • quando os cistos são considerados malignos.

A cirurgia é feita por videolaparoscopia, que consiste em pequenas incisões no abdômen da paciente, para que seja inserido um tubo fino com uma câmera que auxilia o profissional durante o procedimento. É considerada minimamente invasiva e oferece rápida recuperação.

O objetivo da cirurgia é remover os cistos e as lesões de endometriose que estão afetando os ovários e causando prejuízos à mulher. É um tratamento eficiente e que oferece poucos riscos.

Porém, antes de realizar o procedimento, a paciente precisa ser informada sobre o risco de ter sua reserva ovariana afetada após a intervenção cirúrgica. Por ser realizada nos ovários, a cirurgia deve ser feita com extremo cuidado para não causar a redução no número de folículos da mulher, para que sua fertilidade não seja prejudicada.

A mulher consegue engravidar após o tratamento?

O que acontece se o tratamento cirúrgico para endometriomas afetar a reserva ovariana e deixar a mulher infértil? Existem alguns procedimentos que podem ajudar essas pacientes a engravidar.

A principal recomendação é que se faça a preservação social da fertilidade antes da cirurgia, para minimizar as possíveis consequências do tratamento. Este procedimento nada mais é que a criopreservação dos óvulos, mantendo-os saudáveis para serem fertilizados no futuro.

Dessa forma, mesmo que sua reserva ovariana seja prejudicada, a mulher terá seus gametas saudáveis e preparados para gerar um embrião.

A preservação social da fertilidade é uma técnica complementar à fertilização in vitro, também conhecida como FIV.

A FIV caracteriza-se pela fecundação realizada em laboratório, ou seja, tanto os óvulos quanto os espermatozoides são coletados e manipulados pelo médico para a formação de um embrião. Este embrião é posteriormente transferido para o útero materno, para que a gestação possa iniciar.

Também é possível engravidar após o tratamento de endometriomas, mesmo sem ter realizado a preservação. Nestes casos, a indicação também é a FIV, mas com algumas especificidades.

Se a reserva ovariana for suficiente, é possível realizar a coleta dos óvulos e utilizá-los na fertilização in vitro. Caso contrário, a mulher pode se submeter à FIV com os gametas femininos doados por outra paciente, de forma anônima. Esse processo é conhecido como ovodoação e pode ser a solução para se alcançar uma gestação.

Para mais informações sobre outros tipos da doença, seus sintomas, causas e tratamentos, recomendo a leitura do conteúdo sobre endometriose aqui no site.


Se inscrever
Notificação de
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Próxima leitura
Passo a passo da relação sexual programada

A RSP é feita, assim como as demais técnicas em reprodução assistida, em etapas distintas e interdependentes: a estimulação ovariana, o monitoramento da ovulação e o aconselhamento sobre os melhores dias para manter relações sexuais com objetivo de engravidar.

Ler mais...