Ebook SOP Baixe agora o e-book sobre Síndrome dos Ovários Policísticos e entenda tudo sobre essa doença! Clique Aqui!
Ficou com alguma dúvida? Agende sua consulta agora! Clique Aqui!

Como funciona a ovodoação compartilhada no Brasil?



"Em busca do sonho de ter filhos, muitos casais se deparam com a necessidade de […]"

por Dr. Augusto Bussab

Como funciona a ovodoação compartilhada no Brasil?

Em busca do sonho de ter filhos, muitos casais se deparam com a necessidade de usar óvulos doados para a realização da fertilização in vitro (FIV).

No entanto, devido às restrições legais e à maior dificuldade na produção e na coleta dos óvulos, esse processo de doação — chamado de ovodoação compartilhada — costuma ser bem diferente do que o esperado.

Quer entender mais sobre como funciona a ovodoação compartilhada? É só continuar lendo o nosso post de hoje!

O que é ovodoação compartilhada?

Ovodoação compartilhada é o nome dado ao processo de doação de óvulos para a realização de tratamentos de infertilidade.

O termo “compartilhada” se deve ao fato de que, no Brasil, os casais envolvidos no processo compartilham os óvulos coletados e os custos do tratamento de FIV. Não é permitida a doação unilateral de gametas femininos.

Para quem esse tratamento é indicado?

O uso da ovodoação é necessário quando a mulher apresenta uma diminuição da reserva ovariana e não produz óvulos maduros em quantidade ou qualidade suficientes para que a fecundação seja possível.

Isso pode ocorrer devido a:

  • idade materna avançada;
  • menopausa;
  • falência ovariana prematura;
  • tratamentos quimioterápicos ou radioterápicos para câncer;
  • cirurgias ovarianas prévias;
  • falhas frequentes na FIV com óvulos próprios.

A ovodoação também é necessária para casais homoafetivos masculinos que desejam ter um filho por meio da FIV e de um útero de substituição.

Como funciona o processo de ovodoação?

Todo o processo de ovodoação é mediado pela clínica de reprodução e regulamentado pela resolução 2121/2015 do Conselho Federal de Medicina (CFM).

Basicamente, a clínica seleciona uma mulher jovem e infértil que deseja realizar um ciclo de FIV e está disposta a compartilhar parte dos óvulos coletados com o casal que necessita da ovodoação.

A partir daí, a mulher doadora passa por um processo de estimulação ovariana com o uso de hormônios injetáveis ou orais e acompanhamento ultrassonográfico da evolução dos folículos ovarianos.

Quando os óvulos estão prontos, eles são coletados por meio de um pequeno procedimento cirúrgico e compartilhados entre as duas mulheres. Parte dos óvulos são fecundados com os espermatozoides do parceiro da mulher doadora, e a outra parte com os espermatozoides do parceiro da mulher receptora.

Após alguns dias de desenvolvimento, os embriões são transferidos aos respectivos úteros com o auxílio de um cateter transvaginal, e as gestações se desenvolvem normalmente com o uso de hormônios em doses baixas nas primeiras semanas para aumentar a taxa de sucesso.

Durante todo o processo, ambas as famílias realizam um acompanhamento psicológico para que qualquer conflito emocional seja sempre abordado e tratado.

Quem pode doar óvulos?

Mulheres jovens, entre 18 e 35 anos, saudáveis, com uma boa reserva ovariana, sem doenças genéticas ou infecções sexualmente transmissíveis (IST).

Quem pode receber os óvulos?

A mulher que irá carregar a gestação deve ser igualmente saudável, ter até 50 anos de idade e ter realizado um curto tratamento hormonal para a preparação do útero para a gravidez.

É possível receber os óvulos de uma parente ou amiga?

Todo o processo de ovodoação compartilhada é feito sob sigilo e anonimato. Assim, a mulher doadora não sabe para quem doou os óvulos.

A mulher receptora também não sabe de quem os óvulos vieram, embora possa selecionar a doadora de acordo com características físicas, como tipo sanguíneo, cor da pele, dos olhos e dos cabelos.

É necessário pagar pelos óvulos?

O CFM proíbe a comercialização de gametas, tanto de óvulos quanto de espermatozoides.

No processo de ovodoação compartilhada, o casal receptor, em troca dos óvulos, se dispõe a pagar por parte da FIV de um casal que não teria condições financeiras para arcar com o procedimento.

Qual a chance de sucesso?

Como as mulheres doadoras são jovens e produzem óvulos de alta qualidade, a chance de sucesso da FIV com ovodoação é de 50% a 60%, independentemente da idade da mulher receptora.

Quanto tempo dura o processo?

Achar uma doadora compatível costuma ser a parte mais demorada da ovodoação compartilhada, variando de 3 a 6 meses. Após essa fase, o ciclo de estimulação ovariana e FIV demora mais 30 dias, em média.

Gostou de saber mais sobre a ovodoação compartilhada? Então compartilhe esse post nas suas redes sociais e ajude outras pessoas a entender os detalhes desse processo!

Como funciona a ovodoação compartilhada no Brasil?
Avalie essa postagem!


Deixe um comentário

  Se inscrever  
Notificação de
Próxima leitura
Qual o melhor embrião para transferência: D3 ou blastocisto?

A fertilização in vitro (FIV) é atualmente a principal técnica de reprodução assistida indicada para casais que encontram […]

Ler mais...